Apenas um garoto na praia

“Eu não sei o que eu possa parecer para o mundo; mas para mim eu pareço ter sido apenas como um garoto brincando na praia, e me divertindo, de vez em quando encontrando uma pedra arredondada ou uma concha mais bonita que as comuns, enquanto o grande oceano da verdade repousa desconhecido perante mim.”

A frase do grande Sir Isaac Newton dá a dimensão da reverência da mente investigativa do cientista diante do Universo. Recentemente vi no YouTube a trilogia de vídeos “Intelligent Revolution”, do professor Michio Kaku, do City College, de Nova Iorque, um dos mais proeminentes físicos de nosso tempo. Para o professor Kaku, as descobertas das leis fundamentais da Natureza abriram possibilidades sem precedentes para a Humanidade no século XXI. Segundo ele, “estamos fazendo a transição histórica da era da descoberta científica para era do domínio da ciência, em que seremos capazes de manipular e praticamente moldar a Natureza aos nossos desejos”.

“Mas o que tem isso a ver com um blog de sustentabilidade?”, você pode estar se perguntando. Bem, caro leitor, tem a ver com a minha profunda decepção com a perspectiva canhestra, antiquada, em que, na maioria das vezes, é colocada a discussão sobre as mudanças necessárias à mitigação do desequilíbrio ambiental do planeta – como as ocorridas na última reunião da cúpula do G8, realizada no Japão, de 9 a 11 de julho, da qual o presidente George W. Bush, de triste memória, participou pela última vez como chefe-de-estado. Ora, biocombustíveis, por exemplo, estão anos-luz distante de representarem uma solução para o problema de emissão de gases causadores do efeito-estufa, porque servem para propulsionar motores de máquinas feitas com materiais produzidos de forma eletro-intensivas. Portanto, o buraco é muito mais embaixo.

Tive oportunidade de ver o filme The 11th Hour (A Última Hora), dirigido por Leonardo DiCaprio, na Conferência Global 2008 em Sustentabilidade e Transparência, da Global Reporting Iniative, realizada em Amsterdã, em maio último. Se você ainda não o viu, veja – mesmo que você, assim como eu, não vá lá muito com a cara do ex-namorado de Gisele Bündchen. Há entrevistas sobre design sustentável que são absolutamente fantásticas. Uma das provocações, feitas por não-me-lembro-quem, que mais me desconcertou foi ser levado a pensar na energia que foi necessária para sua mãe fabricar esse esqueleto que mantém você sentado enquanto lê este blog e aquela necessária para fabricar a fibra Kevlar. A Natureza não pode, como nós, se dar o luxo de consumir energia nessa escala – ridiculamente humana.

E, com isso, volto ao meu desconforto com a perspectiva em que, na maior parte das vezes, é colocada a discussão sobre sustentabilidade e ao professor Michio Kaku e à tecnologia – neste caso, à nanotecnologia. Para o professor Kaku, por volta de 2015, 2020, máquinas de escala molecular serão capazes de devorar resíduos tóxicos de rios, lagos e mares ou de matar, uma a uma, células de tumor. Em seu comentário “a revolucionária nanotecnologia”, em 2 de julho, na rádio CBN, o jornalista Ethevaldo Siqueira fala da paletra que assistiu sobre o tema, do professor Henrique Toama, aqui da USP, uma autoridade brasileira no assunto, cujo livro “O Mundo Nanométrico” estou lendo.

Admirável mundo novo para o qual parecemos ainda não ter olhos, ou, parafraseando Stanley Kubrik, temos eyes wide closed. Ou, ainda, evocando a imagem de Roberto Campos, temos a nossa lanterna na popa enquanto o grande oceano da verdade repousa diante de nós.

(Renato Raposo)

Anúncios
Esse post foi publicado em Conceitos básicos e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s